Um Ponto De Fuga

segunda-feira, agosto 01, 2005

A Minha Costela de Sebastião

Isto vem tudo a propósito dos séquitos da minha terra:

Desde a mais tenra idade, que sofri as influências de uma educação católica indireta, tanto por via dum suposto Deus, ao qual todos prestavam uma reverência inexplicável, tanto através de uma doutrina geracional que se mantinha incontestável na zona. A coisa era mantida por uma igreja nas imediações e por veraneantes manifestações de fé, vulgo procissões, este monumentos divinos, obrigavam as beatas e afins a expiação semanal. A minhas primeiras dúvidas em relação a inabalável fé, foram dadas por colegas meus, enquanto eu disciplinadamente me sentava nos bancos da catequese, eles com recorrência, metiam as mãos atrás das costas e tateavam um manguito na minha direção, teria dito... sacrilégio... não tivesse um incipiente léxico na altura.
A coisa complica-se na minha primeira confissão, eu domesticado diante do padre, com a ideia de que só se confessam aqueles que cometem pecados, abusei da imaginação, para me safar da coisa com ar pecaminoso e humano, porque fora os actos mosturbatórios e as primeiras coisas com pilinhas e meninas a mistura, nada me parecia nefasto, portanto, não dei ar de ignoto sexual e disse a total perfídia ao bacano da túnica. Rezei por várias horas, na mesma medida em que me dispunha a expiar os supostos pecados. Tinha sido uma espécie de bengalada divina, um acerto com a moral Crista. Anos passaram, e eu, marcado pelo funesto acontecimento, tornei-me demasiado acanhado em relação ao sexo oposto, um inconfortável tímido... soçobrava perante elas, ficava como os Futebolistas nas grandes ocasiões, nervos, suores frios e um avermelhar do semblante minavam a porra da confiança toda. Temia outra bengalada divina, com desprazer portanto, espartilhava a minha febril imaginação adolescente e evitava os cruzamentos ocasionais com as donzelas.
Por esta altura, o despertar da leitura levou-me a conhecer um conjunto de indivíduos cuja obras aprecio muito; Rousseau, Nietzsche, Marx, Freud, Sartre, por esta ordem, perdi a reverência e respeito por altares e relicários, um pensamento licencioso, apto a liberdade invadiu-me. Não obstante, a citada timidez perante o sexo oposto, permaneceu alojada e neurótica.
Dizia-se, pelas ruas e pelas tabernas da capital, que o rei, alto e forte como estava, corava como uma papoila quando via uma mulher e que, tirando as monjas da Anunciada e de Xabregas, se recusava praticamente a falar com elas.(...) O Povo crítica mais depressa, no plano do amor, um tímido que um desordeiro.
O rei, neste campo, era de uma excepcional reserva e só abordava as mulheres com uma delicadeza e descrição que parecia mais de santo ou de criança, que de homem em idade adolescente. (...) A impressão que a carne feminina lhe fazia era-lhe quase uma agonia e é possível que este pudor que ele sentia e mostrava fosse muitas vezes um dos sinais mais belos do amor.
FRANCO; António; VIDA DE SEBASTIÃO, Rei De Portugal, Publicações Europa América
Tags:

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home