Um Ponto De Fuga

sábado, janeiro 18, 2014

A Culpa em Dostoievski

(...) Bárbara correu então para a escada, seguida de Dacha. Mas mal entrou na água-furtada, soltou um grito e caiu sem sentidos.
O cidadão do cantão de Uri estava ali enforcado, atrás da porta. Sobre uma mesinha, via-se um bilhete escrito a lápis:

        Não acusem ninguém. Eu é que me matei.

Nessa mesma mesa estava um martelo, um bocado de sabão e um prego, provavelmente de reserva. A corda que servira para o enforcamento fora previamente esfregada com sabão. Tudo indicava que Nicolau premeditara o seu acto e conservara a lucidez até ao derradeiro instante.
Na autópsia do cadáver os médicos rejeitaram unanimemente qualquer indício de loucura.

Dostoievski; Fiodor; Os Demónios

Etiquetas: , ,

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home